quarta-feira, 18 de outubro de 2017

Às panelas ou seja lá o que for



Athos Ronaldo Miralha da Cunha

Nos últimos meses tive que aprender alguma coisa a mais sobre o Barão de Itararé. Era uma figura bem descolada do convencional. E fico imaginando o que faria numa conjuntura de hoje a pena ácida de Apparício Torelly.
Também lembrei de uma passagem da sua biografia quando ele foi convidado para permanecer no internato e seguir carreira eclesiástica. Eis a resposta do Barão.
– Eu nunca pensava naquela possibilidade. Não sou apóstolo. Meu apostolado é do lado oposto.
Lembrei dessa frase ao ver alguns comentários acerca da decisão dos senadores quando, em votação aberta, livraram o Aécio Cunha do “repouso noturno” e deliberaram pela volta ao senado.
E as panelas? Cadê os paneleiros?
Sabe, isso é o que menos me preocupa. Entendo que eles foram os vencedores nessa etapa. O que me preocupa é a falta de reação. A inércia dos indignados é que me deixa extremamente apreensivo. Reduzindo o raciocínio: quem bateu panela está assistindo a “Força do querer”. E entendo que não podemos transferir essa responsabilidade para quem bateu panela. Essa incumbência é nossa. Como bem disse o Barão, “meu apostolado é do lado oposto”. E é aí que a porca torce o rabo. O lado oposto está totalmente a mercê dos acontecimentos. Incapaz de propor uma reação. Um contraponto. Claro, temos vozes heroicas nos parlamentos e na sociedade, mas “o lado oposto” está, parece-me, jogando milho aos pombos. O avanço da extrema direita antidemocrática é, justamente, pelo recuo do lado oposto. Esse espaço não fica vazio...
E só tem uma solução: colocar o povo na rua. Não existe outra possibilidade. Não foram só as panelas que derrubaram a Dilma. Tinha muita gente nas ruas. A tarefa de colocar o povo nas ruas é hercúlea, pois o marasmo é acachapante, mas é o que temos. Se alguém tiver outra solução...
Logo estaremos em 2018 e seremos chamados a votar para presidente. Vamos exercer nossa cidadania com o voto. Eu não temo a vitória de um candidato homofóbico, racista, misógino, reacionário, etc, etc, etc. acho que não vinga. O maior problema seria o voto na segunda opção: para nos livrarmos de uma figura excêntrica, termos que votar num tradicional neoliberal para garantir a democracia brasileira. 
Ah! Por que tive que aprender sobre o Barão? Na próxima sexta-feira assumo uma cadeira na Academia Santa-Mariense de Letras. Cujo patrono é o Barão de Itararé. Será às 19h. Todos os amigos estão convidados.

quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

27 de janeiro



Athos Ronaldo Miralha da Cunha

Eu não sei quantos 27 de janeiros ainda teremos por clamar por justiça. Nós – o povo e adjacências – temos uma certa implicância com a morosidade do judiciário. As causas se prolooooooongam... mas temos que acreditar porque ela não falha. 
Uma certeza é evidente: teremos uma eternidade de 27 de janeiros para celebrar a vida.  Nesses quatro anos da tragédia Santa Maria já chorou todas as lágrimas possíveis e ainda chorará por anos a fio as lágrimas remanescentes porque a saudade é uma companheira que tem a capacidade de ser uma companhia cruel e, ao mesmo tempo, doce em suas lembranças.
Um dado que jamais esqueci e que revela muito o tamanho da tragédia estava numa reportagem há quatro anos. Computando a expectativa de vida dos jovens que estavam na boate, naquele 27 de janeiro, foram ceifados 10 mil anos. É de difícil compreensão. É incomensurável.
No âmbito da tecnologia estamos vivendo uma revolução. A informática veio para quebrar todos os paradigmas. Não somos mais os mesmos e não é por nos banharmos duas vezes no mesmo rio. Mas na vida real vivemos a Era da barbárie ou quase isso. A vida está valendo pouco nos violentos centros urbanos e menos ainda nos diversos “Alcaçus” esparramados pelo país. Existe pessoas que comemoram a morte e outros comemoram a doença simplesmente por uma divergência ideológica. E a gente fica sem saber o que dizer. Estamos perdendo a capacidade de evoluir para sermos cada vez mais humanos. Podemos dizer que a teoria da evolução atingiu sua máxima histórica. O gráfico está num estágio descendente. Precisamos, urgentemente, de adquirir cotas de humanidade. Cotas de solidariedade para gostar mais das coisas simples que a vida nos proporciona. Se arriscar numa poesia, num óleo sobre tela, num clique em preto e branco ou num chamamé em um fandango sem medo do mico.
Quando lemos que a fortuna de oito pessoas é igual a fortuna dos outros 3.600.000.000 de humanos mais pobres, concluímos que tem alguma coisa errada nesse planeta chamando Terra.
Continuamos orando pelas jovens vítimas da Boate Kiss, pois queremos que os familiares e amigos, que  aqui ficaram, sigam suas trajetórias com paz e serenidade para enfrentar a saudade e a ausência. Mas também desejamos um mundo mais humano e solidário. Talvez num mundo mais humano a gente não precise clamar tanto por justiça.

terça-feira, 17 de janeiro de 2017

O legado da copa

Athos Ronaldo Miralha da Cunha

Eu não sei quais são os critérios para quantificar com quantos estádios se faz uma copa do mundo.
Mas a sensação que tenho que a copa de 2014 com doze estádios foi demais. O legado era um grande apelo para angariar apoios. Muito se discutiu sobre esse legado e muito ainda será debatido.
Sabemos, e é público e notório, que a gastança foi desmedida. Principalmente no que tange às arenas. A mim, salta aos olhos dois mastodontes construídos em locais de pouca tradição futebolística. Um descalabro. Mas a política não mede esforços nos agrados. Então, temos uma arena na Amazônia e outra no Pantanal. E ficamos nos perguntando: e depois?
Eu apostaria em várias arenas para ver qual delas estaria às moscas após a copa. Mas o Maracanã seria a minha última aposta. Como explicarmos que o maior palco do futebol brasileiro está jogado às traças. O Maracanã está abandonado. O templo do futebol, palco de memoráveis decisões e final de duas copas do mundo está com as portas fechadas. Eu gostaria de saber onde estão os políticos que, num canetaço, liberaram verbas a rodo para construir e reformar arenas e estádios. O Maracanã custou 1,2 bilhões. Esses mesmos gestores públicos deveriam vistoriar suas obras e ver o estado desse propalado legado da copa.
Uma nação que constrói estádios ao invés de hospitais – não se faz uma copa construindo hospitais – e pretende construir presídios ao invés de escolas está fadado ao subdesenvolvimento. IDH é coisa de gente que não tem o que fazer.
Eram poucos os indignados com a farra das arenas e, ao que tudo indica, serão poucos os indignados com as obras de mais presídios.
A nossa indignação tem que ser contra o sistema. Contra a malversação do dinheiro público, seja o agente daqui ou de lá. A indignação seletiva, apenas acirra os ânimos e não resolve e agrava os problemas.
Se com a mesma facilidade que foram construídos alguns elefantes – brancos, pardos e marrons – para abrigar meia dúzia de jogos, construíssemos hospitais e escolas, em uma geração teríamos um outro país. Mas é aí que reside o problema: um outro país. Um povo mais consciente não é o desejo da classe política. Alguns interesses seriam feridos.
Mas vamos em frente sabe se lá se não achamos um destino social para as arenas do Pantanal, da Amazônia e para o Maracanã. Logicamente, com mais investimentos públicos.
Ah! Quem sabe um enorme presídio na Amazônia. A Globo já deu a dica, recentemente, com uma minissérie.   


sábado, 19 de novembro de 2016

Debandada II



Athos Ronaldo Miralha da Cunha

2016 foi o ano em que o PT sofreu a maior derrota em um pleito. O ápice negativo de uma trajetória politicamente tumultuada nos últimos tempos.
Tragicamente inesquecível como o 7 a 1 da seleção em 2014. Mas a política não é como no futebol que basta trocar o treinador. Envolve uma complexidade de argumentos e contra-argumentos. E não vai ser fácil assimilar e compreender essa acachapante derrota.
Especificamente, aqui no Rio Grande do Sul, algumas celebridades têm reputação e autoridade para propor mudanças e fazer autocrítica. Olívio, já faz algum tempo, identificou as más companhias e sugeriu uma atitude mais severa do partindo e menos condescendência com os dirigentes inescrupulosos. Tarso defende a tese da refundação e já faz um bom tempo também. Mas o PT está estático. Em repouso. Parece que o PT não está muito disposto a discutir... então...
A revista ISTOÉ identificou uma debandada do PT com uma reportagem de capa. Enumerou alguns deputados nessa articulação. E se o partido não tomar as rédeas desse processo e chamar para si o debate é o que vai acontecer. O partido precisa se reinventar profundamente.
O PT envelheceu e foi incapaz de se renovar. Acomodou-se nas instâncias da burocracia e deixou a lo largo o debate, as discussões que eram as marcas do partido nos anos 80/90.
Não forjou novas lideranças e ficou refém do carisma de Lula. Os sindicalistas foram cooptados e os intelectuais silenciaram. O debate sucumbiu com a necessária e pragmática governabilidade.
E agora, diante dos escombros, o partido se vê numa encruzilhada e com isso estende esse trauma a toda esquerda. Diante do arrefecimento da esquerda a direita sai às ruas. Uma esquerda arrefecida sai das urnas em 2016 e uma direita afoita entra em 2017.
O PT precisa renascer e é provável que renasça, mas nada será como antes. É impossível reviver aqueles momentos de rebeldia. O PT sobreviverá, mas não nos mesmos parâmetros pelos quais foi concebido. Compactuo com a ideia de refundação, mas acho que não prosperará. A estrutura atual do partido é de difícil ruptura. E uma vanguarda já na faz tanto sucesso como fazia em outros tempos.
Não sei se a palavra debandada é a mais adequada para os próximos momentos do PT, mas, no entanto, é fato que a sigla sofrerá alguns reveses em suas fileiras. E, convenhamos, é bom que assim seja. Talvez seja bom para a própria esquerda e ela se reconstrua com novas forças para enfrentar os novos cenários e desafios políticos.
Pode ser que a esquerda se reúna em uma Frente Ampla – a melhor hipótese – e se reorganize em torno de propostas de cunho social dentro de uma ideia popular de governo.
É uma saída factível para esquerda e que contempla também o PT tenha ele o tamanho que tiver.


Encerro aqui essas modestas e pretensas reflexões de novembro.
Aos amigos que me acompanharam até aqui, deixo o meu sincero agradecimento, espero ter contribuído de alguma forma para compor uma opinião sobre esse momento atual.
Volto para os meus contos e crônicas.